Selva de concreto e ferro

Imponente lá está no fim das estradas

O destino de todos, o centro das atenções

Gigante como nunca se viu

Bela como nunca se imaginou

Recebe aqueles que chegam de braços abertos

Onde o cinza parece ter vida

E esse cinza sobe aos céus

Para que sua glória seja vista de todos os cantos

Não há limite para sua extensão

Como formigas nos perdemos

Nos seus infinitos labirintos

Feitos de ferro e concreto

Pioneira como nenhuma outra

Sempre um passo à frente

E entre os morros se aconchega

Assim como os bandeirantes a fizeram

 

Texto por Rodrigo Nunciaroni