Revalidação de diploma estrangeiro no Brasil

Atualmente, para ter validade nacional, o diploma de graduação tem que ser revalidado por uma das 112 universidades brasileiras públicas que tenham curso igual ou similar, reconhecido pelo governo. Ao contrário do que imaginamos, esse procedimento não é burocrático quanto parece, mas demanda tempo e dinheiro. Para ter seu diploma revalidado em solo brasileiro basta entregar na universidade a documentação acadêmica de sua faculdade de origem, incluindo cópia do diploma a ser revalidado, informar a duração, o currículo do curso e o conteúdo programático, assim como a bibliografia e o histórico escolar.

Além disso, o aluno deverá pagar uma taxa referente às despesas administrativas, a qual não é pré estabelecida e pode variar de acordo com cada instituição – pesquisas mostram que os valores podem chegar até R$3 mil e não garantem revalidação do diploma. Caso ele seja reconhecido, o estudante deverá pagar mais R$ 90 para sua expedição.

A revalidação é julgada por uma Comissão Especial, composta por professores da própria universidade ou de outros lugares, que tenham qualificação na área do conhecimento e nível do título a ser revalidado.Se houver dúvida quanto à similaridade do curso, a Comissão poderá determinar a realização de exames e provas (prestados em língua portuguesa) com o objetivo de caracterizar a equivalência. Também é possível que o requerente realize estudos complementares, caso ficar comprovado o não preenchimento de condições mínimas.

O prazo para a universidade se manifestar sobre o requerimento de revalidação é de 6 meses, a contar da data de entrada do documento na Ifes, mas tenha paciência, pois em muitos casos o prazo não é cumprido. Vale ressaltar que o Brasil não possui nenhum acordo de reconhecimento automático de diplomas; portanto, as regras são as mesmas para todos os países.

Uma graduação estrangeira é um diferencial extremamente relevante no currículo de qualquer profissional, por isso para evitar desperdiçar tamanha vivência, certifique-se de que o curso a ser realizado fora está nos padrões exigidos por alguma de nossas universidades e boa sorte! 😉