“Louca obsessão”: Um filme que te deixa com os nervos à flor da pele

Tensão. Aflição. Belos planos de imagem.  O medo que surge das batidas aceleradas do seu coração. Essas são algumas coisas que são encontradas ao ver o filme “Louca Obsessão” de Rob Reiner, com James Caan, Kathy Bates, Lauren Bacall. O longa vai retratar a história do consagrado escritor Paulo Sheldon( James Caan) depois de sofrer um acidente ocasionado por uma nevasca. Ele será resgatado por uma ex-enfermeira, Annie Wilkes ( Kathy Bates) que se considera sua maior fã. Até aí, as coisas parecem estar tranquilas, mas as coisas começam a mudar quando ela descobre que sua personagem preferida foi morta.

“Louca Obsessão” é uma adaptação do livro “Angústia” de  Stephen King, escritor de sucesso no gênero horror.  Todos sabem que a experiência de ler um livro com a do assistir o filme que retrata a mesma história são diferentes.  No entanto, não significa que o livro é melhor do que o filme, ou o contrário. Porém esta produção no audiovisual soube ser trazida, de uma maneira brilhante.  Alguns planos feitos pelo diretor ajudam a causar o efeito de tensão, aflição.

Como logo nos primeiros 15 minutos temos uma cena com James Caan e Kathy Bates, de forma que esta está fazendo a barba dele. Até aí, você pode se perguntar, o que há de diferente nisso? Reiner usa um plano detalhe em que podemos ver a proximidade da lâmina na pele.  O que deixa o público no mínimo incomodado.  Em outros momentos os planos são usados para contar uma parte da história. E dessa forma quando você termina de assistir o filme você percebe que já sabia de muitas coisas, porém elas estavam nas entrelinhas.

Uma ilustração clara disso é quando temos uma sequência de planos detalhe num palito de fósforo, cigarro, champanhe e uma taça. Para que as coisas fiquem um pouco mais claras você deve saber que os itens que aparecem na produção cinematográfica fazem parte de um ritual do personagem principal. Que sempre quando termina um livro fuma um cigarro e toma uma taça de champanhe. Mais pra frente ao decorrer da história nota-se que aquele palito de fósforo, por exemplo teria participações em situações bem mais angustiantes e perturbadoras.

A atuação de Kathy Bates é algo também que merecer ser falado.  “Louca obsessão não tem espíritos, vampiros, lobisomens, demônios ou qualquer  ser sobrenatural. Pelo contrário o “mal” é um ser humano.  Para alguns pode parecer bobagem a ideia de que você sentirá medo. Entretanto para quem pensa assim vai acabar se surpreendendo.  Você sentirá medo de Annie. E isso é graças a sua atuação extremamente competente. Aliados com uma trilha sonora que se encaixa perfeitamente com todo o universo cinematográfico apresentado ali.

Vai ser trazido também algumas patologias psicológicas. Que refletem também o passado de Annie no presente. É uma das coisas que faz ter o filme ser interessante. Porque você tem a oportunidade de ver como algumas coisas podem surgir depois de certos traumas. E como a mente humana é complexa e pode funcionar em alguns casos.  Para quem gosta de filmes que possuem uma pitada de Psicologia como Cisne Negro, Psicose, Uma Mente Brilhante vai se sentir satisfeito com o longa.

“Louca Obsessão” foi premiado já com um Oscar e Globo de Ouro pela atuação de Kathy Bates. É  um filme para os amantes do terror, suspense, Stephen King e para quem quer ver uma boa crítica a suposta perfeição da vida americana. Que na verdade revela não ser tão perfeita. Fora isso, um aviso aos navegantes você vai terminar o filme e realmente vai ter a sensação que pode encontrar com Annie Wilkes.