Loise Hardy

Perfil de Loise Hardy

Loise Hardy é uma parisiense de 20 anos e estudante de jornalismo no Mackenzie. Vivendo no Brasil desde 2004, Loise afirma ter ficado brava nos primeiro anos após a mudança por ficar distante dos amigos e do restante da família, já que aqui moram apenas ela, seus pais e seus irmãos. “Foi meio uma sensação de solidão e aprisionamento, porque eu não podia mais sair. Eu tinha oito anos quando cheguei aqui, mas eu já ia para a casa da amiguinhas sozinha, andava pé sozinha, eu ia buscar o pão quando eu quisesse, ia ao supermercado, eu passeava na minha cidade, porque lá era muito mais seguro”, diz a jovem.

Recém-chegada, Loise e a família visitavam lugares famosos da cidade de São Paulo, como parques e museus durante os finais de semana, mas a estudante só passou a gostar realmente do novo país por causa de um presente inusitado: “quando eu fiz meus 13 ou 14 anos eu ganhei a chave de casa de Natal. Sim! Eu ganhei de Natal, a chave de casa! Aí eu comecei a sair um pouquinho e ver as amigas que estavam por perto.”

A estudante de jornalismo confessa se sentir mais madura e mais organizada depois de entrar na faculdade e também comenta a beleza do campus. “Na minha cidade [sua atual casa na França é em Toulouse], todos os prédios são de tijolos aparentes, mas eles são muito mais velhos, então o tijolo é rosa, chamam minha cidade de cidade rosa.”

Além das visitas anuais à família na França, ela também conheceu muitos outros lugares como Orlando, Miami, São Francisco, Nova York, Londres, Bruxelas, Veneza, Madri e a curiosa Andorra.

“É um país minúsculo que ninguém conhece, que fica entre a França e a Espanha, é tipo, muito minúsculo. É uma montanha governada por um príncipe”, nos conta Loise animada ao lembrar da visita, “você se sente no inverno, mesmo no verão absoluto, é tão alto que tem neve eterna!”

Segundo Loise, sua melhor experiência na vida foi sua viagem a Orlando com o irmão mais novo. Lá conheceu o parque temático do Harry Potter, saga que mais gosta, e viu de perto os atores das personagens Luna, Seamus e Neville.

Das coisas que mais sente falta da terra natal, ela destaca duas: comida e metrô funcional. “Não que eu não sinta falta da família, mas eu já me acostumei com isso. E existe Skype hoje em dia… Só não existe Skype pro metrô!”

Quando perguntada sobre a coisa que mais gosta do Brasil, sua resposta foi o calor das pessoas. “Na França, se você for fazer amizade com alguém, vai demorar um pouquinho até a pessoa se abrir, até você chegar e ser amigo mesmo da pessoa. Franceses são pessoas bem fechadas.”

Escrito por Maria Clara Lucci

Foto por Maria Clara Lucci

Matheus Negrão

Amo ouvir novas histórias e reciclar meu mundo interior. Acredito que tudo pode ser belo, é só olhar por um ângulo diferente.