Saiba mais sobre o app que mudou o jeito de se fazer hospedagem

Uma empresa vem causando alvoroço quanto às maneiras de hospedagem, estou me referindo à AirBnb. A empresa foi criada em 2008 na Califórnia, permitindo que o usuário alugue sua própria casa para acomodar turistas. A estimativa é que consigam alcançar a marca de um bilhão de hóspedes por ano, até 2028.

Até o momento, é possível ter acesso à aproximadamente 80 mil cidades em 191 países. É possível se hospedar em locações  no mínimo curiosas, tais como: uma casa na árvore, um iate, uma palafita, entre outras.

A empresa foi envolvida em uma polêmica em cidades como: Barcelona, Paris, Berlim, San Francisco e Nova York. Os críticos alegam que o aplicativo estaria utilizando imóveis que deveriam servir para moradia. Em Miami Beach, por exemplo, é proibida a locação de imóveis pelo Airbnb, com multa que varia de US$ 20 mil a US$ 80 mil. Recentemente, proprietários de aproximadamente 130 imóveis listados no app foram multados em 615 mil Euros em Paris. A capital francesa é o maior mercado da empresa, com quase 65 mil localidades.

Recentemente, a firma anunciou novidades para 2018. Agora os usuários poderão contar com mais categorias, tais como: “lugar inteiro”, “quarto compartilhado”, “quarto inteiro”, “casas de férias”, “casas únicas”, “hotéis boutique” e “pousadas”. Assim, o viajante poderá escolher locais cada vez mais específicos, que satisfaçam melhor seu gosto.

O aplicativo anunciou também a criação de “coleções”, uma nova categoria que seleciona melhor os locais de acordo com os motivos da viagem. Algumas das coleções são: “para família”, “para trabalho”, “casamento”, “conhecer pessoas”, “em grupo”, “lua de mel” e “jantar especial”.