Opositor de Putin é preso novamente em manifestação

O principal opositor de Vladimir Putin, Alexei Navalny, convocou no domingo protestos por toda a Rússia. No total, foram registradas manifestações em aproximadamente 120 cidades, apesar das temperaturas negativas ao norte.

O ex-candidato foi impedido de participar das eleições que ocorrerão em março devido à sua condenação em um processo de desvio de fundos. Navalny afirma que é apenas uma armação de Putin, visando impedi-lo de concorrer à presidência.

O líder da oposição foi detido novamente pela polícia, a quarta vez em um período de apenas um ano. Segundo as autoridades, o motivo foi por ter violado o procedimento relativo à organização de uma manifestação. “Fui detido. Não quer dizer nada”, declarou Navalny em um vídeo postado em suas redes sociais. “Vocês não vieram aqui por mim, mas por vocês e seu futuro”, completou o ex-candidato. De acordo com a ONG OVD-Info, ao menos 180 manifestantes foram detidos pela polícia no domingo.

Antes dos protestos, a polícia invadiu o Fundo de Luta Contra a Corrupção, a sede do movimento, com o pretexto de um alerta de bomba no local. Cinco colaboradores de Navalny foram presos.

De acordo com pesquisas, a reeleição de Putin está praticamente garantida, o que o manteria no poder até 2024. Seria o quarto mandato do atual presidente. Navalny é o único opositor capaz de confrontar Vladimir Putin, apesar da forte perseguição dos policiais. Após 18 anos de governo, a popularidade de Putin começa a cair com os russos.

O estudante de Jornalismo do Mackenzie Gabriel Pellegrine considera que é uma atitude quase ditatorial, pois Putin prendeu seu opositor político simplesmente pelo fato de ser sua oposição. A permanência do atual presidente no poder não seria benéfica, pois cada vez mais a Rússia se fecha para o exterior, dificultando sua relação com as outras potências.

Por: Fábio Ribeiro Barreto
Navalny sendo preso
Fonte: Washington Times