Donald Trump reconsidera autorização que autorizava importação de troféus de caça

Dois dias após ter concedido a autorização da importação de troféus de caça por norte americanos, Donald Trump suspendeu a decisão nesta sexta-feira (17).

Por: Fábio Ribeiro Barreto

A autorização foi tão repudiada que Ed Royce, um dos líderes de seu próprio partido, pediu para que Trump reconsiderasse a decisão.

A medida derrubaria uma política criada em 2014 contra o tráfico de marfim pelo ex-presidente Barack Obama.

A decisão foi anunciada na conta de Trump no twitter. “Coloquei a decisão do troféu em espera enquanto analiso todos os fatos de conservação. Em estudo há anos. Atualizarei em breve com o secretário Zinke. Obrigado!”

Inicialmente, o anúncio havia sido feito por uma das agências do governo. Um dos argumentos dizia que a caça esportiva poderia beneficiar a conservação de certas espécies promovendo incentivos às comunidades locais.

Instantaneamente a medida foi duramente criticada por algumas ONG’s. Um dos principais motivos é o fato de que a população de elefantes na África está caindo nas últimas décadas. Entre 2006 e 2015, o total de elefantes caiu cerca de 20% no continente africano. Atualmente, existem cerca de 400.000 elefantes  na África. Entretanto, há uma década atrás, haviam cerca de 500.000.

A polêmica ficou ainda maior com a circulação de imagens feitas em 2012. Nelas, alguns dos filhos de Trump posam ao lado de animais mortos. Em uma delas, Donald Jr. segura um rabo de elefante cortado, com uma faca na mão e a arma apoiada no corpo do animal.

O estudante de jornalismo Gabriel Pellegrine considera que “em primeiro lugar, a caça de animais silvestres por esporte já é algo muito errado, pois o animal não fez mal a ninguém, além de ser uma espécie em extinção. Quando Trump autoriza esse tipo de coisa, ele está incentivando a matança desses animais, que tendem a desaparecer com essas ações.”