O Cruzeiro é pentacampeão da Copa do Brasil

Na noite de quarta feira (27), o time do Cruzeiro bateu o Flamengo diante da sua torcida no Mineirão, e se tornou o maior campeão da Copa do Brasil, ao lado do Grêmio. Além disso, o time de Belo Horizonte garantiu vaga direta à fase de grupos da Libertadores de 2018.

Antes de chegar à grande final, o time comandado por Mano Menezes já tinha eliminado o São Paulo na quarta fase, a Chapecoense nas oitavas de final, o Palmeiras nas quartas em um jogo memorável e o Grêmio na semifinal, em disputa por pênaltis.

Pelo primeiro jogo da decisão ter empatado em 1 a 1 no Maracanã, quem ganhasse seria o campeão, e o empate levaria aos pênaltis. Os 61 mil presentes no Mineirão e os milhares de espectadores assistiram à um espetáculo truncado e cheio de faltas, digno de final. As poucas chances de gol criadas ao longo do jogo estavam deixando claro que a partida terminaria empatada. Apenas no final do segundo tempo os times se lançaram ao ataque, mas a cabeçada para fora de Arrascaeta e a defesa incrível do goleiro Fábio, no chute do Guerrero, confirmaram a decisão por penalidades máximas.

 

Os cobradores estavam com a pontaria afiada nas primeiras cobranças. Henrique e Léo converteram com frieza suas penalidades para o Cruzeiro, enquanto Guerrero e Juan marcaram para o Flamengo. Foi apenas na terceira cobrança que a estrela do goleiro Fábio brilhou. O experiente goleiro defendeu o chute do meia Diego, levando o Mineirão à loucura. A partir deste momento, o time de Minas Gerais concluiu com gol as últimas penalidades e se consagrou campeão.

 

Para Natália Sodré, estudante de jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie e cruzeirense fanática, o goleiro Fábio foi fundamental para a conquista do torneio. “Quando foi para os pênaltis meu coração foi a mil. Mas nós cruzeirenses aprendemos a amar e confiar incondicionalmente no nosso goleiro, Fábio. Sem sombra de dúvidas, quando ele fez aquela defesa maravilhosa já pudemos gritar antes do resultado que éramos campeões. Hoje somos penta! ”

Texto por Guilherme Pansonato.